quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Talvez o Nim!

Uma passagem por um assunto realmente sério.
Para já não venham para ai dizer que estou numa de propaganda, pois estou simplesmente a dar a minha opinião!!
Tou farto de noticias que dão conta de pais que pelos vistos nunca tiveram, nem quiseram ter condições para os filhos, os matem á pancada!!
Ou miudos que durante todo o seu crescimento só conhecem a lei da rua, pois os pais esforçados, por dar algo aos filhos os deixam horas a fio sozinho em casa/rua sem ninguem para olhar por eles ( pois é verdade nem todos têm a sorte das avózinhas).
Visto ainda não ser possivel perguntar "Rapaz/Rapariga, tens estas condições para viver/sobreviver, vai ser assim até te safares por ti portanto queres viver ou não?" Pede-se ás pessoas conscientes/responsaveis (ou não) que tomem essa decisão por eles!!
Mas lá está, aqui não tento de maneira alguma por em causa a liberdade de poder ou não fazer (seja de qualquer maneira, vai sempre acontecer mas por enquanto os abutres ganham rios de dinheiro com isso), mas sim as condições que se pode dar antes, depois e no entretanto...
Pois então não, se a pessoa diz sim quero e vou fazer o esforço por dar o melhor... Bem é uma decisão própria!! Chama-se a isso promessa.
Em caso contrário, não posso de maneira alguma criar e dar o melhor, então chama-se CRIME... Porquê?
E já agora desengane-se aquele que acredita nas instituições de apoio... lá ao que parece são mais maltratadas fisica e psicologicamente tendo agora "recentemente" um exemplo bem claro onde pessoas sem excrupulos ditas responsaveis pelas crianças, as "alugavam" para luxo de algumas pessoas endinheiradas!!

Correcto, não os matem antes de nascer... mas tambem não os condenem a uma vida miserável de merda!!

Não sou a favor de um não correcto, nem de um sim conciso...
Mais uma vez não quero ferir susceptibilidades é só uma opinião...!

1 comentário:

Sue disse...

Sim, claro.

Na minha (às vezes não tão) humilde opinião, o problema é as pessoas quererem forçosamente encarar esta questão como um problema ético ou moral. Não que não o seja, mas neste caso e dado o propósito, deveria ser visto como um problema de saúde pública, porque no fundo é o que é. Nada justifica a chantagem emocional e a lavagem cerebral de que andamos a ser vítimas. Mas como é difícil argumentar contra factos, recorrem-se a medidas mais ou menos desesperadas e um tanto patéticas. Uns demagogos, pá! E um nim não resolve nada, afinal. Por mais que goste de aplicar a relatividade a tudo, neste caso é urgente uma perspectiva racional e realista. Era capaz de dissertar quilómetros de palavras sobre o assunto (a minha opinião está formada há 10 anos e só se tem vindo a consolidar, a amadurecer), é melhor parar enquanto não estou embalada!

Bom tema para começares! :P
Dá-lhe!!! ***